Blog do Dr. Alexandre Faisal

Mãe que aleita reduz em 30% o risco de Síndrome Metabólica

Alexandre Faisal

Resultado de imagem para breastfeeding

 

Diversos benefícios do aleitamento materno são conhecidos. Um estudo coreano avalia se maior tempo de aleitamento reduz risco de doenças metabólicas da mãe. 

Na sua opinião, quanto tempo a mãe deve aleitar o bebê? Clique aqui para votar

A síndrome metabólica (SM) é caracterizada pela presença de diferentes fatores de risco para doença cardiovascular, incluindo obesidade abdominal, hipertensão, resistência à insulina, glicemia de jejum, diminuição do colesterol de alta densidade (HDL-C) e triglicerídeos elevados. A prevalência da SM entre os adultos americanos é de 31%,em homens, e, 27%, em mulheres. E isso é fonte de grande preocupação já que a SM se associa doenças cardiovasculares, cerebrovasculares, renais, diabetes tipo 2 e aumento da mortalidade por todas as causas. Será que o aleitamento é uma fator de proteção para o surgimento da SM ou de alguns dos seus componentes?. Um estudo realizado por pesquisadores de Seul, Coréia procuraram estimar a relação entre da duração da amamentação com a SM (e seus componentes), em mulheres com idades entre 19 a 50 anos. Foram analisados dados de 4724 participantes de inquérito nacional sobre Saúde e Nutrição.

Os pesquisadores usaram questionário para avaliar diversas questões de saúde, comportamentais e sócio-demográficas, enquanto medidas antropométricas e exames laboratoriais foram colhidos no domicílio da participante. As mulheres foram divididas em quatro grupos de acordo com a duração da amamentação, auto-referida: < 6, 6-11, 12-23, ou > 24 meses. Os resultados mais importantes mostram  as mulheres que amamentaram por 12 a 23 meses apresentaram redução de 27% no risco de SM na comparação com mulheres que amamentaram menos de 6 meses. O resultado foi igualmente promissor no caso de aleitamento superior a 24 meses: uma redução de 30% na SM, além de benefícios para glicemia e nível dos triglicérides. De fato, em todos os cenários, o aleitamento superior a 6 meses, mesmo para aquelas mulheres que conseguiram no máximo 1 ano de aleitamento foi sempre benéfico para a saúde da mulher. A explicação para esta feliz associação entre maior tempo de aleitamento e risco metabólico não é totalmente clara. As hipóteses incluem o próprio comportamento saudável da mulher e padrão de funcionamento hormonal. Neste caso, por exemplo, imagina-se que as mulheres que aleitam mais tempo apresentem tenham menor ativação do eixo hipotálamo-hipófise-adrenal, que está implicado nos níveis de cortisol e da glicemia.

Independentemente do mecanismo, a implicação mais imediata do estudo é que amamentar faz bem. E nós não estamos falando mais do bebê, algo veiculado em todas as revistas femininas, programas de televisão e guias das maternidades. E que todo mundo incluindo as mães já sabe. Aqui nós estamos falando do benefício para a saúde futura das mamães. É mais um bom motivo para as mulheres amamentarem.

(Choi et al. Association Between Duration of Breast Feeding and Metabolic Syndrome: The Korean National Health and Nutrition Examination Surveys. Journal Women’s Health 2017)