Blog do Dr. Alexandre Faisal

Dia mundial do diabetes: 7% das brasileiras sofrem com a doença

Alexandre Faisal

Resultado de imagem para diabetes

 

Você sabe quais são do sintomas do diabetes ?  Clique aqui para votar

O diabetes é uma doença crônica metabólica caracterizada pelo aumento da glicose no sangue. O distúrbio acontece porque o pâncreas não é capaz de produzir a insulina em quantidade suficiente para suprir as necessidades do organismo. A insulina promove a redução da glicemia ao permitir que o açúcar que está presente no sangue possa penetrar as células, para ser utilizado como fonte de energia. Se não tratado, o diabetes sobre causar insuficiência renal, amputação de membros, cegueira, doenças cardiovasculares, como AVC (derrame), e infarto. Quando se investiga a importância do DM como carga de doença, ou seja, o impacto da mortalidade e dos problemas de saúde que afetam a qualidade de vida de seus portadores, por meio do Disability Adjusted Life of Years (DALY), observa-se que, em 1999, o DM apresentava taxa de 12 por mil habitantes, ocupando a oitava posição, sendo superado pelo grupo das doenças infecciosas e parasitárias, neuropsiquiátricas, cardiovasculares, respiratórias crônicas, do aparelho digestivo, neoplasias malignas e doenças musculoesqueléticas. Uma epidemia de diabetes mellitus (DM) está em curso.

Atualmente, estima-se que a população mundial com diabetes seja da ordem de 387 milhões e que alcance 471 milhões em 2035. Cerca de 80% desses indivíduos vivem em países em desenvolvimento. O número de diabéticos está aumentando em virtude do crescimento e do envelhecimento populacional, da maior urbanização, da progressiva prevalência de obesidade e sedentarismo, bem como da maior sobrevida de pacientes com DM. A Pesquisa Nacional de Saúde, realizada pelo Ministério da Saúde em parceria com o IBGE, mostra que o diabetes atinge 9 milhões de brasileiros  (6,2% da população adulta). As mulheres (7%) apresentaram maior proporção da doença do que os homens (5,4%). A doença é mais comum em pessoas mais velhas: 0,6% entre 18 a 29 anos; 19,9% entre 65 e 74 anos. No Brasil, um estudo realizado na comunidade nipo-brasileira mostrou aumento vertiginoso na prevalência de DM, cuja taxa passou de 18,3%, em 1993, para 34,9%, em 2000, o que comprova o impacto de alterações no estilo de vida, em particular do padrão alimentar, interagindo com provável suscetibilidade genética. Diabetes é doença cercada de crenças. Entre elas a de que “comer doce é causa de diabetes” (embora diabéticos tem que moderar consumo), “é fácil perceber a doença” (nem sempre há sinais claros como muita sede, fome, muita micção), “só gordo tem DM” (Diabetes 2 é mais comum em obesos mas existem magros diabéticos).

A boa notícia é que há evidências de que alterações no estilo de vida, com ênfase na alimentação e na redução da atividade física, associam-se a acentuado incremento na prevalência de DM2. Os programas de prevenção primária do DM2 baseiam-se em intervenções na dieta e na prática de atividades físicas, visando combater o excesso de peso em indivíduos com maior risco de desenvolver diabetes, particularmente nos com tolerância à glicose diminuída. Um estudo finlandês (Finnish Diabetes Prevention Study) mostrou que mudanças de estilo de vida, em 7 anos, diminuíram a incidência de DM em 43%. Os resultados do Diabetes Prevention Program (DPP) mostraram redução de 34% em 10 anos de acompanhamento na incidência de casos de DM mediante o estímulo a uma dieta saudável e à prática de atividades físicas. Outras medidas importantes na prevenção secundária (ou seja para quem já sofre de DM) são o tratamento da hipertensão arterial e dislipidemia, reduzindo os de complicações, a prevenção e o cuidados das úlceras nos pés e o rastreamento para diagnóstico e tratamento precoce da retinopatia.