Topo
Blog do Dr. Alexandre Faisal

Blog do Dr. Alexandre Faisal

Categorias

Histórico

Para combater doenças crônicas tributar alimentos não saudáveis é solução

Alexandre Faisal

2018-05-20T18:15:37

18/05/2018 15h37

 

 

Você é a favor do aumento de impostos sobre consumo alimentar não saudável? Clique aqui para votar

O periódico Lancet acaba de publicar série de artigos que abordam o interessante tema da relação das políticas fiscais e economia com as DCNT (DCV, diabetes, câncer). As DCNT  são responsáveis por 38 milhões de mortes a cada ano, sendo 16 milhões entre pessoas com menos de 70 anos. Existem esforços globais para se reduzir as mortes por DCNTs em até um terço até 2030.  Mais de 280 estudos de alta qualidade, incluindo dados da Índia, China e Brasil, mostram que a baixa condição socioeconômica está consistentemente associada a taxas mais altas de doenças não transmissíveis em países de baixa e média renda. As DCNT são, portanto, causa e consequência  da pobreza e desigualdade social. Investimentos em prevenção e controle de DNTs oferecem, portanto,  um alto retorno e perspectiva de crescimento econômico para os países de todos os níveis de renda; a longo prazo, a prevenção de DNTs oferece um maior retorno sobre o investimento do que o controle de DNT, embora ambos sejam essenciais. A força-tarefa da Lancet sobre DNTs e economia destaca o papel das políticas fiscais de incentivo das dietas saudáveis e estilos de vida para reduzir o consumo de tabagismo, álcool e alimentos não saudáveis contribuidores da obesidade. Mas avalia também um tema tabu: à tributação do consumo.

Um dos argumentos mais comuns usados para se opor à tributação do tabaco, álcool ou bebidas açucaradas é de que os impostos são regressivos, ou seja, é injusto fazer as pessoas mais pobres pagarem uma parcela maior de suas rendas domésticas (já limitadas) para consumir esses produtos. Isso não seria um problema para as pessoas mais ricas. Embora este argumento possa parecer atraente ele não é verdadeiro.  Do ponto de vista ético, a avaliação do impacto da tributação de produtos nocivos não pode se limitar  a questão da regressividade tributária sozinha, mas deve levar em conta todos os efeitos, incluindo os benefícios de saúde associados e custos de saúde, de curto e, sobretudo, de longo prazo. A análise de dados do impacto da taxação em diferentes países mostra exatamente isso. Vários aspectos reforçam a taxação. Primeiro, na maioria dos países, o impacto negativo das DNTs evitáveis associadas ao tabaco, álcool, e obesidade é em si mesma regressiva. Comparado com famílias mais ricas, pessoas com rendas mais baixas adoecem mais frequentemente e morrer mais cedo em decorrência deste consumo de consumir tabaco.  Por exemplo, um estudo mostrou que, se o imposto do cigarro for aumentado em 50% na Tailândia, a classe socioeconômica mais baixa pagaria apenas 6% de um aumento das receitas fiscais do tabaco, mas se beneficiaria com uma redução de 58% de mortes prematuras. Segundo o custo do tratamento é também regressivo. Um estudo com dados de 66 países e 13 DCNT mostrou que as famílias mais pobres , e não as mais ricas, são as que mais sofrem com os custos catastróficos dos tratamentos. Terceiro, o padrão de consumo após taxação pode variar de acordo com o produto e entre países, mas admite-se que  pessoas pobres irão cortar ou pelo menos reduzir este tipo de consumo em maior quantidade do que pessoas ricas. Finalmente, a receita levantada pelos impostos tem o potencial de beneficiar as famílias mais pobres a depender do modo como ela  será usada na área da saúde. Por exemplo, as Filipinas aumentaram os impostos sobre o tabaco e isso gerou uma receita adicional de US $ 1,5 bilhão entre 2013 e 2015 que foi usada para expandir a cobertura de seguro de saúde entre os pobres. O dinheiro obtido com impostos pode, por exemplo, financiar programas para ajudar as pessoas a pararem de fumar, reduzir o consumo de álcool e consumir dietas mais saudáveis.

Vamos esperar para ver como estas mudanças ocorrerão. Mas a publicação não deixa dúvida sobre a conexão entre o crescimento econômico e o controle das DNTs. E isso é cada vez mais claro à medida que os países avaliam suas necessidades de cuidados de saúde, em geral,  em constante mudança, o envelhecimento das populações e suas metas de desenvolvimento econômico.

(Summers. Taxes for health: evidence clears the air. Lancet. April 4, 2018 http://dx.doi.org/10.1016/ S0140-6736(18)30629-9)

Sobre o Autor

Alexandre Faisal é ginecologista-obstetra, pós-doutor pela USP e pesquisador científico do Departamento de Medicina Preventiva da FMUSP. Formado em Psicossomática, pelo Instituto Sedes Sapientiae, publicou o livro "Ginecologia Psicossomática" e é co-autor do livro "Segredos de Mulher: diálogos entre um ginecologista e um psicanalista”. Atualmente é colunista da Rádio USP (FM 93.7) e da Rádio Bandeirantes (FM 90.9). Já realizou diversas palestras médicas no país e no exterior. Apresenta palestras culturais e sobre saúde em empresas e eventos.

Sobre o Blog

Acompanhe os boletins do "Saúde feminina: um jeito diferente de entender a mulher" que discutem os assuntos que interessam as mulheres e seus parceiros. Uma abordagem didática e descontraída das mais recentes pesquisas nacionais e internacionais sobre temas como gravidez, métodos anticoncepcionais, sexualidade, saúde mental, menopausa, adolescência, atividades físicas, dieta, relacionamento conjugal, etc. Aproveite.