Topo
Blog do Dr. Alexandre Faisal

Blog do Dr. Alexandre Faisal

Categorias

Histórico

Depressão retarda início do tratamento de infertilidade

Alexandre Faisal

03/10/2017 10h39

Resultado de imagem para depressed women

 

Você acha que sofrer de depressão interfere com busca de tratamento de infertilidade?  Clique aqui para votar

A infertilidade é enorme fardo emocional para muitos casais. Depressão e ansiedade têm sido demonstradas em 40% das mulheres inférteis, o dobro do observado em mulheres férteis. Mas será que as mulheres inférteis com depressão são menos propensas a iniciar tratamentos de infertilidade?. Para responder esta questão pesquisadores da Universidade da Carolina do Norte, USA, realizaram estudo prospectivo com 416 mulheres inférteis entre janeiro de 2013 a dezembro de 2014. Elas foram classificadas como deprimidas ou não. Todas as mulheres incluídas tinham recebido indicação de tratamento de infertilidade pelo seu médico. Elas foram avaliadas prospectivamente para determinar o início do tratamento para infertilidade.

Vejamos os resultados. Dentre as participantes 41% apresentaram depressão e 72% iniciaram tratamento de infertilidade. A maior parte já nos primeiros 4 meses. Mas o dado mais interessante foi que a constatação de que as mulheres deprimidas tinham uma redução de 45% na probabilidade de iniciar o tratamento para infertilidade.  Os números foram muito parecidos para início do tratamento de infertilidade dentro de 4 meses. E isto independia se o tratamento era com medicamentos orais ou fertilização assistida. A explicação para esta infeliz associação pode estar justamente na própria depressão, que inibe e desestimula a mulher na busca de seus objetivos. Incluindo a gravidez. A mescla de desânimo intenso e pensamentos negativos sobre os resultados dos tratamentos de fertilidade são muito ruins para a mulher deprimida.

Uma implicação imediata da pesquisa é a identificação destas mulheres para que por meio de novas avaliações e intervenções psicológicas elas possam aderir aos tratamentos de fertilidade. É o tipo de recomendação que tem um foco, mas pode atingir dois objetivos.  Já que no final da contas, com ou sem gravidez, o tratamento psicológico pode melhorar o astral destas mulheres.

(Crawford et al. Infertile women who screen positive for depression are less likely to initiate fertility treatments. Human Reproduction, 2017)

 

Sobre o Autor

Alexandre Faisal é ginecologista-obstetra, pós-doutor pela USP e pesquisador científico do Departamento de Medicina Preventiva da FMUSP. Formado em Psicossomática, pelo Instituto Sedes Sapientiae, publicou o livro "Ginecologia Psicossomática" e é co-autor do livro "Segredos de Mulher: diálogos entre um ginecologista e um psicanalista”. Atualmente é colunista da Rádio USP (FM 93.7) e da Rádio Bandeirantes (FM 90.9). Já realizou diversas palestras médicas no país e no exterior. Apresenta palestras culturais e sobre saúde em empresas e eventos.

Sobre o Blog

Acompanhe os boletins do "Saúde feminina: um jeito diferente de entender a mulher" que discutem os assuntos que interessam as mulheres e seus parceiros. Uma abordagem didática e descontraída das mais recentes pesquisas nacionais e internacionais sobre temas como gravidez, métodos anticoncepcionais, sexualidade, saúde mental, menopausa, adolescência, atividades físicas, dieta, relacionamento conjugal, etc. Aproveite.