PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Blog do Dr. Alexandre Faisal

Aplicativo de controle do ciclo menstrual revela detalhes da saúde feminina

Alexandre Faisal

05/10/2020 12h14

 

Você usa (ou usaria) um aplicativo para controle do ciclo menstrual ? Clique aqui para votar

O ciclo menstrual é um indicador chave da saúde e da qualidade de vida das mulheres em idade reprodutiva. Muitas mulheres não sabem, mas o adequado funcionamento do sistema endócrino reprodutivo se associa com saúde sexual e reprodutiva, saúde dos ossos e coração e até câncer. Ela ainda afeta a fertilidade, menopausa, o padrão de exercício e alimentar. Umas das possibilidades recentes de avaliação da menstruação é o uso de aplicativos móveis de monitoramento do ciclo menstrual. Eles estão cada vez mais na moda e muitas mulheres já aderiram ao seu uso que permite a avaliação de experiências e comportamentos de saúde menstrual ao longo do tempo. Até então, muitas pesquisas na área se baseiam em número limitado de participantes e de informações sobre seus ciclos menstruais. Nem sempre a qualidade da informação sobre ciclos menstruais, nestas pesquisas, é confiável.

Uma publicação da NPJ Digital Medicine mostra os resultados de análises de um grande banco de dados de observações rastreadas pelo usuário do aplicativo Clue da companhia BioWink GmbH. São dados de mais de 378.000 usuárias, habitantes de todos os continentes, e de 4,9 milhões de ciclos naturais disponíveis para cruzamento de informações relevantes de saúde. Por exemplo, as relações entre a variabilidade da duração do ciclo e os sintomas qualitativos autorrelatados por cada uma das usuárias do aplicativo. As mulheres tinham idades entre 21 e 33 anos (média de 25,5) e o número médio de ciclos rastreados por usuária foi 12,9, com um intervalo médio entre ciclos de 29,7 dias e duração média do fluxo menstrual de 4,1 dias. Os autores usaram um critério para classificar as mulheres: a diferença da duração entre ciclos (usando a mediana) superior ou inferior a 9 dias. Assim dois grupos foram comparados: mulheres com diferenças importantes no padrão menstrual (7.7% das participantes) e mulheres com ciclos mais regulares (92.3% das participantes). Alguns resultados são bem interessantes. As mulheres no grupo de alta variabilidade do ciclo menstrual relatam sintomas relacionados à dor de forma mais imprevisível. Do mesmo modo, esta usuária tem maior chance de apresentarem dores de cabeça e mamas sensíveis em pelo menos 95% de seus ciclos. Um risco que varia de 66% a 71% maior na comparação com mulheres com ciclos regulares. A ocorrência de diversos outros sintomas e queixas pode ser comparada entre os grupos de mulheres acessando os registros do banco de dados. Segundo os autores, os sintomas identificados como associados aos padrões menstruais podem ser úteis para médicos e usuárias para prever a variabilidade do ciclo a partir dos sintomas ou como indicadores de saúde. Uma destas aplicações seria para diagnóstico de endometriose.

A conclusão da publicação não é nada humilde, mas afirma que este tipo de descoberta mostra o potencial de dados longitudinais de alta resolução para melhorar a compreensão da menstruação e da saúde da mulher como um todo. Um detalhe: este tipo de aplicativo já é o segundo aplicativo mais popular para meninas adolescentes e o quarto mais popular para mulheres adultas. Como se vê, os autores têm motivos para estarem tão confiantes e orgulhos.

(Kathy Li et al. Characterizing physiological and symptomatic variation in menstrual cycles using self-tracked mobile-health data. npj Digital Medicine (2020) 3:79 ; https://doi.org/10.1038/s41746-020-0269-8)

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o Autor

Alexandre Faisal é ginecologista-obstetra, pós-doutor pela USP e pesquisador científico do Departamento de Medicina Preventiva da FMUSP. Formado em Psicossomática, pelo Instituto Sedes Sapientiae, publicou o livro "Ginecologia Psicossomática" e é co-autor do livro "Segredos de Mulher: diálogos entre um ginecologista e um psicanalista”. Atualmente é colunista da Rádio USP (FM 93.7) e da Rádio Bandeirantes (FM 90.9). Já realizou diversas palestras médicas no país e no exterior. Apresenta palestras culturais e sobre saúde em empresas e eventos.

Sobre o Blog

Acompanhe os boletins do "Saúde feminina: um jeito diferente de entender a mulher" que discutem os assuntos que interessam as mulheres e seus parceiros. Uma abordagem didática e descontraída das mais recentes pesquisas nacionais e internacionais sobre temas como gravidez, métodos anticoncepcionais, sexualidade, saúde mental, menopausa, adolescência, atividades físicas, dieta, relacionamento conjugal, etc. Aproveite.