PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Blog do Dr. Alexandre Faisal

Como ficam as gestantes diante do Coronavírus ?

Alexandre Faisal

27/02/2020 11h00

Você está adotando medidas de proteção contra o Coronavírus ? Clique aqui para votar

Há grande preocupação no mundo todo (e agora no Brasil) com a infecção pelo Coronavírus que surgiu numa região da China e hoje está presente em vários países. No entanto, a maioria dos estudos já publicados sobre o surto de pneumonia causado pela nova doença de Coronavírus (COVID-19) foram baseados em informações da população geral. Existem poucas informações sobre mulheres grávidas com pneumonia pelo COVID-19. Há poucos dias, pesquisadores do Hospital da Wuhan University, entre eles ginecologistas e pediatras, publicaram no periódico The Lancet um artigo com dados de 9 gestantes que comprovadamente tiveram a infecção pelo vírus. Registros clínicos, resultados laboratoriais e tomografia computadorizada do tórax foram revisados, ​​retrospectivamente, nas 9 mulheres grávidas com pneumonia por COVID-19. A infecção foi confirmada em laboratório (ou seja, com amostras de swab na garganta materna deram resultado positivo para o Coronavírus 2. Todas as gestantes foram atendidas no Hospital Zhongnan da Universidade de Wuhan, na China, no período de 20 a 31 de janeiro de 2020. As evidências de transmissão vertical intra-uterina (ou seja da mãe para o feto) foram avaliadas por testes quanto à presença de SARS-CoV-2 no líquido amniótico, sangue do cordão umbilical e amostras de esfregaço da garganta do bebê. Amostras de leite materno também foram coletadas e testadas após a primeira lactação. As nove pacientes foram submetidas à cesariana no terceiro trimestre. Sete pacientes apresentaram febre. Sintomas como tosse (em quatro de nove pacientes), mialgia (em três), dor de garganta (em dois) e mal-estar (em dois) também foram observados. O sofrimento fetal foi monitorado em dois casos. Cinco dos nove pacientes tiveram uma alteração no hemograma (linfopenia). Nenhuma delas desenvolveu pneumonia grave por COVID-19 ou morreu em 4 de fevereiro de 2020.

Quanto aos 9 bebês, não houve nenhum óbito e nenhum deles apresentou asfixia. O índice de Apgar que avalia vitalidade do recém-nascido logo ao nascer foi ótimo nas duas mensurações realizadas,  com 1 e 5 minutos de vida. Amostras de líquido amniótico, sangue do cordão umbilical, esfregaço da garganta neonatal e leite materno de seis pacientes foram testadas para SARS-CoV-2, e todas as amostras foram negativas para o vírus.

De fato, são ótimos resultados que podem até surpreender já que as grávidas são particularmente suscetíveis aos patógenos respiratórios em função do estado imunossupressor e alterações fisiológicas adaptativas da própria gravidez. Entra as mudanças fisiológicas da gravidez estão a elevação do diafragma, aumento do consumo de oxigênio e edema da mucosa do trato respiratório que podem torná-las intolerantes à hipóxia. Para citar dados históricos, na pandemia de influenza de 1918 foi observada uma taxa de mortalidade de 2,6% na população geral, mas de 37% entre as mulheres grávidas. As mulheres grávidas também apresentaram  risco aumentado de complicações devido à infecção pelo vírus da gripe pandêmica H1N1de 2009 e tinham mais de quatro vezes mais chances de serem internadas no hospital do que a população em geral . Na epidemia de SARS, cerca de 50% das gestantes que desenvolveram SARS foram admitidas na unidade de terapia intensiva e a taxa de mortalidade foi de até 25% para essas mulheres. Uma curiosidade, no estudo atual, as mulheres grávidas com pneumonia por COVID-19 mostraram um padrão semelhante de características clínicas aos das pacientes adultas não grávidas. Os sintomas comuns no início da pneumonia por COVID-19 para essas mulheres incluíram febre e tosse, enquanto os sintomas menos comuns foram mialgia, mal-estar, dor de garganta, diarreia e falta de ar.

Se estes resultados são tranquilizadores, há ainda que se ter cautela quanto se trata de COVID-19 e gestantes. O estudo é limitado pelo tamanho pequeno da amostra e pelo método retrospectivo. Dentre as limitações do estduo vale mencionar que, primeiramente, todas as mulheres estavam no terceiro trimestre. O efeito da infecção por COVID-19 no feto no primeiro ou segundo trimestre de gravidez ainda precisa ser esclarecido. Segundo, é importante saber se o parto vaginal aumenta o risco de transmissão intraparto de mãe para filho. Terceiro, se o COVID-19 poderia danificar a placenta, o que representa um elo importante na transmissão vertical, também precisa ser investigado.

No meio da escuridão que esta crise sinaliza, os resultados deste estudo com gestante infectadas é verdadeira luz no fundo do túnel.

(Chen et al. Clinical characteristics and intrauterine vertical transmission potential of COVID-19 infection in nine pregnant women: a retrospective review of medical records. The Lancet 02/2020. https://doi.org/10.1016/S0140-6736(20)30360-3)

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o Autor

Alexandre Faisal é ginecologista-obstetra, pós-doutor pela USP e pesquisador científico do Departamento de Medicina Preventiva da FMUSP. Formado em Psicossomática, pelo Instituto Sedes Sapientiae, publicou o livro "Ginecologia Psicossomática" e é co-autor do livro "Segredos de Mulher: diálogos entre um ginecologista e um psicanalista”. Atualmente é colunista da Rádio USP (FM 93.7) e da Rádio Bandeirantes (FM 90.9). Já realizou diversas palestras médicas no país e no exterior. Apresenta palestras culturais e sobre saúde em empresas e eventos.

Sobre o Blog

Acompanhe os boletins do "Saúde feminina: um jeito diferente de entender a mulher" que discutem os assuntos que interessam as mulheres e seus parceiros. Uma abordagem didática e descontraída das mais recentes pesquisas nacionais e internacionais sobre temas como gravidez, métodos anticoncepcionais, sexualidade, saúde mental, menopausa, adolescência, atividades físicas, dieta, relacionamento conjugal, etc. Aproveite.