PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

Blog do Dr. Alexandre Faisal

Toxina botulínica pode ser alento para mulheres que sofrem com vulvodínia

Alexandre Faisal

28/08/2020 15h06

 

Você sabe o que é vulvodínia  ? Clique aqui para votar

Você já deve ter ouvido falar. Pode ser até que conheça quem padece deste mal ainda pouco definido: vulvodínia. Trata-se de um distúrbio doloroso que afeta até 15% das mulheres, em geral na pré-menopausa. Uma variante do problema é a vestibulodínia provocada, que é caracterizada por dor intensa ao toque ou pressão da mucosa ao redor da abertura vaginal. Dá para imaginar que a dor tenha consequências negativas na esfera da sexualidade, comprometendo no médio e longo prazo a qualidade de vida das mulheres (e eventualmente dos respectivos parceiros/parceiras sexuais). Não se sabe exatamente a causa da vestibulodínia mas admite-se alterações fisiopatológicas em três sistemas interdependentes: inflamação neurogênica com sensibilização no tecido vestibular, hiperatividade nos músculos do assoalho pélvico e alterações nas vias regulatórias da dor do sistema nervoso central.

O principal tratamento é a fisioterapia para atenuar a hiperatividade dos músculos do assoalho pélvico. Mas, recentemente, o uso da toxina botulínica (TB) tem sido preconizado. Será que funciona?. Pesquisadores suecos do Karolinska Institutet Danderyd Hospital de Stockholm, e do Center for Clinical Research, da Uppsala University realizaram um ensaio clínico duplo-cego, placebo-controlado e randomizado de 50 unidades de toxina botulínica A (44 mulheres) ou placebo (44 mulheres) injetado nos músculos bulbocavernosos, duas vezes, com intervalo de 3 meses, em mulheres com vestibulodínia provocada. O desfecho primário foi a dor no ato sexual (dispareunia) autorreferida ou dor ao uso de tampão em uma escala visual analógica (de 0 a 100, onde 100 é a dor máxima).  O principal resultado foi uma redução da dor (não significativa estatisticamente) no grupo da TB comparado ao grupo placebo. Outros resultados promissores incluíram uma diminuição significativa da dor na inserção de absorvente ou tampão e menores níveis pressóricos na manometria vaginal (sim, eles mediram o tônus vaginal). Por outro lado, não forma observadas mudanças foram na função sexual, ainda que houve aumento significativo no número de mulheres que "tentaram manter a relação sexual vaginal" no grupo da TB. Finalmente, e muitas mulheres devem ter se perguntado sobre isso: nenhum evento adverso grave foi relatado.

Ainda bem. A conclusão não é lá animadora, mas sinaliza alguma perspectiva para o tratamento da vestibulodínia. E como todos sabemos, a sexualidade humana é bem enigmática e complexa, de modo que toda esperança de tratamento para os muitos problemas sexuais é sempre bem-vinda.

(Haraldson  P et al. Botulinum Toxin A as a Treatment for Provoked Vestibulodynia A Randomized Controlled Trial. Obstet Gynecol 2020;136:524–32)

 

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o Autor

Alexandre Faisal é ginecologista-obstetra, pós-doutor pela USP e pesquisador científico do Departamento de Medicina Preventiva da FMUSP. Formado em Psicossomática, pelo Instituto Sedes Sapientiae, publicou o livro "Ginecologia Psicossomática" e é co-autor do livro "Segredos de Mulher: diálogos entre um ginecologista e um psicanalista”. Atualmente é colunista da Rádio USP (FM 93.7) e da Rádio Bandeirantes (FM 90.9). Já realizou diversas palestras médicas no país e no exterior. Apresenta palestras culturais e sobre saúde em empresas e eventos.

Sobre o Blog

Acompanhe os boletins do "Saúde feminina: um jeito diferente de entender a mulher" que discutem os assuntos que interessam as mulheres e seus parceiros. Uma abordagem didática e descontraída das mais recentes pesquisas nacionais e internacionais sobre temas como gravidez, métodos anticoncepcionais, sexualidade, saúde mental, menopausa, adolescência, atividades físicas, dieta, relacionamento conjugal, etc. Aproveite.