Topo
Blog do Dr. Alexandre Faisal

Blog do Dr. Alexandre Faisal

Categorias

Histórico

Mutilação genital feminina ainda assombra jovens vulneráveis

Alexandre Faisal

2026-10-20T18:15:11

26/10/2018 15h11

Image result for female genital mutilations

Globalmente, três milhões de jovens correm risco de mutilação genital feminina e estima-se que 200 milhões de raparigas e mulheres no mundo tenham sido submetidas a mutilação genital feminina. Nos 28 países da África e do Oriente Médio para os quais existem dados disponíveis,  A prevalência nacional entre mulheres com 15 anos ou mais de idade varia de 0,6% (Uganda, 2006) para 97,9% (Somália, 2006). A prática inclui remoção total ou parcial do clítoris mas pode ser também estreitamento da vagina As consequências variam dos riscos imediatos de infecção, hemorragia, e morte até riscos tardios como, necessidade de cirurgia reparadora, problemas urinários e menstruais, relações sexuais dolorosas e má qualidade de vida sexual.  Também são frequentes a infertilidade, diversos tipos de infecções (por exemplo, abcessos e úlceras genitais, infecções pélvicas crônicas, infecções do trato urinário)  além obviamente das muitas consequências psicológicas, como medo da relação sexual, transtorno de estresse pós-traumático, ansiedade, depressão. O impacto é tamanho que muitas mulheres jamais retomam a vida normalmente. O procedimento é realizado por motivos culturais para atender normas vigentes de comportamento, principalmente no âmbito sexual. No fundo, a prática objetiva controlar e diminuir a mulher na sua relação com o homem e com a própria sociedade. A mutilação genital feminina atinge mais mulheres jovens de 15 a 24, pobres, pouca escolaridade, muçulmanas, casadas e sem acesso à mídia.  A Organização Mundial de Saúde ressalta a importância de trabalhar com as comunidades, não apenas no curto prazo, mas também a longo prazo, realizando  investimentos nos direitos humanos, conforme entendido no contexto local. Só assim eles imaginam ser possível obter mudança coletiva que leve ao fima desta prática tão primitiva e desumana.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o Autor

Alexandre Faisal é ginecologista-obstetra, pós-doutor pela USP e pesquisador científico do Departamento de Medicina Preventiva da FMUSP. Formado em Psicossomática, pelo Instituto Sedes Sapientiae, publicou o livro "Ginecologia Psicossomática" e é co-autor do livro "Segredos de Mulher: diálogos entre um ginecologista e um psicanalista”. Atualmente é colunista da Rádio USP (FM 93.7) e da Rádio Bandeirantes (FM 90.9). Já realizou diversas palestras médicas no país e no exterior. Apresenta palestras culturais e sobre saúde em empresas e eventos.

Sobre o Blog

Acompanhe os boletins do "Saúde feminina: um jeito diferente de entender a mulher" que discutem os assuntos que interessam as mulheres e seus parceiros. Uma abordagem didática e descontraída das mais recentes pesquisas nacionais e internacionais sobre temas como gravidez, métodos anticoncepcionais, sexualidade, saúde mental, menopausa, adolescência, atividades físicas, dieta, relacionamento conjugal, etc. Aproveite.