Topo
Blog do Dr. Alexandre Faisal

Blog do Dr. Alexandre Faisal

Categorias

Histórico

Pessoas com deficiência tem pouco acesso aos serviços de reabilitação

Alexandre Faisal

02/12/2018 17h43

 

Imagem relacionada

 

 

 

Dia Internacional do Deficiente Físico é celebrado em 3 de dezembro. Instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU), em 1992, este dia tem como objetivo a sensibilização da comunidade para os desafios enfrentados por pessoas com deficiência física. Estima-se que mais de um bilhão de pessoas em todo mundo tenha algum tipo de deficiência ou incapacidade, correspondendo a cerca de 15% da população mundial . Ainda segundo a OMS, pelo menos 10% das crianças no mundo nascem ou adquirem algum tipo de deficiência física, mental ou sensorial com repercussão negativa no desenvolvimento. O tema ganha relevância já que o conceito de deficiência vem evoluindo com o passar dos anos. A visão atual privilegia as potencialidades da pessoa e as condições adequadas socioambientais para que a pessoas possa desenvolver suas aptidões. Além disso, espera-se que as pessoas com limitações de qualquer ordem possam receber tratamentos e reabilitação.

Pesquisadores de diferentes universidades brasileiras procuraram estimar a prevalência auto-referida das deficiências intelectual, física, auditiva e visual, levando em conta variáveis sociodemográficas, grau de limitação e frequência de uso de serviço de reabilitação. Eles usaram dados provenientes da Pesquisa Nacional de Saúde, inquérito populacional de 2013. Quanto aos resultados, a prevalência de deficiência auto-referida no país foi de 6,2% o que significa cerca de 12,4 milhões de pessoas. A prevalência de deficiência física foi de 1,3%, maior em homens, em indivíduos com 60 anos ou mais, na região Nordeste. A deficiência visual foi mais prevalente (3,6%) e aumentou com a idade, assim como deficiência auditiva. A má notícia é que o uso de serviços de reabilitação foi pouco frequente, oscilando de 4.8% para visual, 8.4% para auditiva e 30.4% intelectual 30.4%.

A conclusão é que há necessidade de ampliar o acesso às ações de promoção, diagnóstico e tratamento precoce das deficiências. Políticas públicas são fundamentais para corrigir antigas preconceitos e desigualdades no atendimento dos indivíduos que apresentam deficiências

(Malta et al. Prevalência auto-referida de deficiência no Brasil,  segundo a Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Ciência & Saúde Coletiva, 21(10):3253-3264, 2016)

Sobre o Autor

Alexandre Faisal é ginecologista-obstetra, pós-doutor pela USP e pesquisador científico do Departamento de Medicina Preventiva da FMUSP. Formado em Psicossomática, pelo Instituto Sedes Sapientiae, publicou o livro "Ginecologia Psicossomática" e é co-autor do livro "Segredos de Mulher: diálogos entre um ginecologista e um psicanalista”. Atualmente é colunista da Rádio USP (FM 93.7) e da Rádio Bandeirantes (FM 90.9). Já realizou diversas palestras médicas no país e no exterior. Apresenta palestras culturais e sobre saúde em empresas e eventos.

Sobre o Blog

Acompanhe os boletins do "Saúde feminina: um jeito diferente de entender a mulher" que discutem os assuntos que interessam as mulheres e seus parceiros. Uma abordagem didática e descontraída das mais recentes pesquisas nacionais e internacionais sobre temas como gravidez, métodos anticoncepcionais, sexualidade, saúde mental, menopausa, adolescência, atividades físicas, dieta, relacionamento conjugal, etc. Aproveite.